Geral

Especialistas discutem | Mulheres são minoria entre investidores; como mudar cenário?

Especialistas discutem | Mulheres são minoria entre investidores; como mudar cenário?

As mulheres são 52% da população brasileira, ganham cada vez mais destaque no mundo corporativo, mas ainda representam apenas 22% dos investidores na Bolsa de Valores e 25% do total de dinheiro investido no mercado financeiro brasileiro.

No vídeo acima, Econoweek bateu um papo com Carol Sandler, do canal Finanças Femininas, e com Rebeca Nevares, sócia do Ella's Investimentos, sobre mulheres, feminismo e dinheiro.

A conversa completa, você confere no vídeo. Mas, vou resumir os melhores momentos nas linhas abaixo:

Por que a inclusão financeira feminina é necessária?

As mulheres, no passado, já deixaram na mão dos homens o cuidado com o dinheiro. Hoje, apesar de ainda haver reflexos disso, a mulher já tomou o protagonismo de sua vida e carreira. Por que não assumir as rédeas também do dinheiro? É um caminho natural.

"Há um despertar: as mulheres sabem o que têm que fazer, ainda não sabem como, mas já sentem a necessidade [de investir]", afirma Nevares, sócia do Ella's Investimentos, a primeira assessoria financeira do Brasil voltada para mulheres e diversidade.

Como uma assessoria financeira segmentada pode ajudar as mulheres?

Nevares percebe que o mercado financeiro não se comunicava com o público feminino, dificultando a inclusão desse público, lacuna que o Ella's Investimentos pretende preencher.

As pessoas contratam um serviço ou compram um produto quando criam conexão com aquilo. Com os investimentos não é diferente.

O escritório de investimentos Ella's tenta entender as mulheres, para fazer cada uma das clientes atingir seus sonhos e objetivos a partir de seu planejamento financeiro, uma maneira diferente de investir quando comparada ao público masculino, mais habituado ao mundo do dinheiro, segundo as sócias.

Como romper com o machismo?

Eu, César Esperandio, fiquei curioso em saber como essas duas mulheres de destaque querem romper com o pensamento machista que cerca a elas próprias e às suas clientes.

"É tudo um trabalho de referência. Na televisão, "futebol" é sinônimo de futebol masculino. Se formos assistir a futebol feminino, terá que avisa que é "futebol feminino", afirma Sandler. "Temos que dar mais destaque para as mulheres no esportes, nos negócios, nas capas de revistas, pois as mulheres trazem a mesma audiência e patrocinadores se dermos o mesmo espaço".

Como romper preconceitos contra o público LGBTQ+?

Esse público também representa um segmento da sociedade que sofre preconceitos, inclusive no mercado de trabalho, com reflexo imediato na saúde financeira.

As sócias do Ella's Investimentos e o canal Finanças Femininas também incluem esse grupo em seu leque de atendimentos, pois acreditam que devem "incluir sem excluir".

Aliás, nesse bate-papo, essas mulheres de destaque, que tive a satisfação de bater um papo, apesar de acreditarem que, nesse momento, essa segmentação seja necessária, elas acreditam que a força masculina, se dividir o mesmo ideal, agrega.

Então, se você é homem e compartilha das mesmas ideias, pode entrar em contato que essas meninas terão prazer em ajudar.

Mulheres, e quem mais se sentir representado, já sabem que agora há um espaço para dividir sonhos, objetivos e alcançá-los com uma postura mais positiva frente ao dinheiro.

O que você achou disso?

Conta aqui nos comentários ou fale com a gente no nosso YouTube, Instagram e LinkedIn. Também é possível ouvir nossos podcasts no Spotify. A gente sempre compartilha muito conhecimento sobre economia, finanças e investimentos. Afinal, o conhecimento é sempre uma saída!