Geral

Em busca da cura | EUA selecionam 5 candidatas a vacina contra covid-19 como finalistas, diz NYT

Em busca da cura | EUA selecionam 5 candidatas a vacina contra covid-19 como finalistas, diz NYT

O governo dos Estados Unidos selecionou cinco empresas, incluindo Moderna, AstraZeneca e Pfizer, como candidatas mais prováveis a produzir uma vacina para o novo coronavírus, informou hoje o The New York Times, citando autoridades de alto escalão.

As outras empresas são Johnson & Johnson e Merck & Co, de acordo com o jornal.

As empresas selecionadas terão acesso a recursos governamentais adicionais, ajuda na execução de testes clínicos e suporte financeiro e logístico, informou o jornal.

Não há, até o momento, vacina aprovada para covid-19, a doença respiratória causada pelo novo coronavírus.

O NYT não mencionou vacinas em potencial da fabricante francesa de medicamentos Sanofi, da Novavax e da Inovio Pharmaceuticals, que estão entre as mais de 100 vacinas em desenvolvimento em todo o mundo.

O anúncio da decisão será feito na Casa Branca nas próximas semanas, segundo o jornal.

A Casa Branca não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. "Não podemos comentar informações que movimentam o mercado", disse uma autoridade do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

As empresas da lista são as mais avançadas no desenvolvimento de uma vacina e têm capacidade de fabricação significativa.

Os EUA estão planejando testes envolvendo de 100 mil a 150 mil voluntários no total, com o objetivo de fornecer uma vacina eficaz até o final deste ano. Para cumprir esse prazo, o governo pretende iniciar os testes intermediários em julho.

As duas primeiras vacinas a começar testes intermediários provavelmente seriam da Moderna e da combinação AstraZeneca/Universidade de Oxford, disse à Reuters o diretor do Instituto Nacional de Saúde dos EUA, Francis Collins, em entrevista no mês passado. Ele afirmou prever que as candidatas à vacina de J&J e Merck se juntem ao esforço experimental.

Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, disse na terça-feira que espera ter "algumas centenas de milhões de doses" até o início de 2021, de acordo com a CNN.