Geral

Em Almirante Tamandaré | Empresária é autuada por vender remédio falso contra o coronavírus

Em Almirante Tamandaré | Empresária é autuada por vender remédio falso contra o coronavírus

A Polícia Civil do Paraná autuou a proprietária de uma farmácia do bairro Lamenha, em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba, por suspeita de vender um coquetel de vitaminas como remédio preventivo contra o coronavírus. O produto era ofertado em cápsulas e comercializado em promoção por R$ 79,90.

Segundo o Departamento Estadual de Defesa do Consumidor (Procon/PR), a propaganda foi anunciada em um vídeo nas redes sociais. A farmácia ofertava o produto como um tratamento preventivo ao coronavírus com duração de três meses. O produto é composto por ácido fólico, selênio, zinco e vitaminas A, C, D e E.

A Polícia Civil e o Procon do Paraná não divulgaram o nome do estabelecimento, nem o da proprietária. egundo o delegado André Gustavo Feltes, a mulher argumentou em seu depoimento que divulgou o remédio como preventivo ao coronavírus por ter visto na mídia alguns especialistas afirmarem que a doença poderia ser evitada caso a pessoa estivesse com a imunidade em dia.

"O que chama atenção é a maneira como esse informe foi realizado, pois dependendo do nível de conhecimento do consumidor, pode ser induzido ao erro, acreditando que com o consumo do produto poderia ficar imune ao contágio do coronavírus, o que não é verdade. Da maneira como a informação era passada, fazia uma pessoa leiga acreditar", comentou o delegado.

A empresária foi autuada anteontem por afirmação falsa ou enganosa de produtos e serviços e, de acordo com a Polícia Civil, a pena poderá ser de três meses a um ano de detenção, além do pagamento de multa. A mulher assinou um termo circunstanciado, que é um registro de crime de menor relevância e foi liberada em seguida. O UOL não conseguiu localizar a proprietária.

Além do crime, a farmácia será alvo de um processo administrativo no Procon. Ela deverá realizar uma contrapropaganda, explicando a finalidade do produto anteriormente ofertado como prevenção ao coronavírus. A veiculação deverá ter a mesma duração e circular nos mesmos perfis de redes sociais.

A chefe do Procon no Paraná, Cláudia Francisca Silvano, ressaltou que o polivitamínico não está irregular. O que pesou contra a farmácia foi a finalidade divulgada do produto.

"Ela terá que vir a público e informar corretamente as propriedades desse produto e para o que serve, e não a propaganda enganosa. (...) O problema não está no produto em si, mas na forma como foi oferecido ao consumidor, tanto que no anúncio houve a afirmação de que protegia contra o coronavírus. As pessoas pagam imaginando estar protegidas", pontuou.

Segundo a Polícia Civil, a proprietária não soube informar se alguém adquiriu o produto com a finalidade de se proteger contra o coronavírus. Caso algum consumidor procure a delegacia e consiga provar que o comprou com intuito de se imunizar contra o referido vírus, o crime poderá evoluir para estelionato.

Polivitamínico não protege contra o vírus, diz médico

No balanço divulgado ontem, a China confirmou 31.774 casos de infectados pelo coronavírus, sendo 722 mortes. Dessas, segundo o governo local, 1.540 já se recuperaram da doença que atinge o sistema respiratório. Além dos óbitos em território chinês, mais 220 casos foram confirmados em 24 países.

Em contato com a reportagem do UOL, o médico especializado em clínica geral, Antônio Furlan, explicou que o coquetel de vitaminas ofertado pela farmácia paranaense não resolveria uma eventual infecção pelo coronavírus. Apesar de aumentar a resistência, o produto não daria conta de dar imunidade a qualquer tipo de vírus.

"O polivitamínico serve para aumentar a resistência do organismo e não funciona para conter qualquer virose. Para evitar contrair vírus, é recomendável evitar estar ou entrar em contato com pessoas ou áreas acometidas pela virose, usar máscaras caso visite áreas de risco e alimentação reforçada para aumentar a resistência do organismo", explicou.