Geral

Economia | Dólar bate recorde nominal; especialistas avaliam impacto da fala de Guedes

Economia | Dólar bate recorde nominal; especialistas avaliam impacto da fala de Guedes

A cotação do dólar registrou nesta terça-feira (26) novo recorde nominal desde a criação do Plano Real, fechando a R$ 4,24 na venda. Na opinião duas especialistas ouvidas pelo UOL, o avanço da moeda hoje se deveu à repercussão negativa das declarações recentes do ministro da Economia, Paulo Guedes. Para um terceiro analista, porém, o motivo é estrutural, pois investidores estrangeiros estão descrentes sobre a economia brasileira.

Ontem à noite, em Washington, nos Estados Unidos, Guedes afirmou que não é possível se assustar com a ideia de alguém pedir o AI-5 (Ato Institucional nº 5) diante de uma possível radicalização dos protestos de rua no Brasil. O e abriu caminho para o aumento da repressão durante a ditadura, com militantes da esquerda armada mortos e desaparecidos.

O ministro também afirmou que, diante da redução da taxa básica de juros, a cotação de equilíbrio do dólar "tende a ir para um lugar mais alto". Segundo o ministro, o Brasil tem uma moeda forte, e flutuações no câmbio não são motivo de preocupação.

'Lenha na fogueira' do dólar

Na opinião de Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest, as declarações do ministro "colocam lenha na fogueira do dólar" e criam instabilidade para a moeda brasileira. "Depois de o ministro falar aquilo, é claro que o mercado vai testar novos patamares no dia seguinte."

Segundo ela, a relação direta entre a fala do ministro e alta do dólar hoje fica evidente porque outras moedas não tiveram o mesmo comportamento.

A prova de que é um fator puramente doméstico é que as moedas de outros países emergentes estão caindo menos ou estão estáveis hoje
Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest

'Tamanha irresponsabilidade'

As declarações do ministro entram em contradição com o discurso oficial de atrair investimentos ao Brasil, segundo a pesquisadora Ariane Roder, do Centro de Estudos em Negócios Internacionais do instituto Coppead, da UFRJ.

É uma fala de tamanha irresponsabilidade que leva à conotação de um ambiente de instabilidade institucional, e o mercado é atraído por ambientes previsíveis
Ariane Roder, pesquisadora do Coppead/UFRJ

Ela lembrou que esta foi a segunda menção ao AI-5 feita por pessoas próximas ao alto escalão do governo —o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente , também se houvesse radicalização por parte da esquerda.

Fala infeliz, mas problema é estrutural

Para Thiago Salomão, analista da Rico Investimentos, a fala de Paulo Guedes foi infeliz, mas não é a causa da alta do dólar nesta terça. Segundo o analista, se o mercado estivesse reagindo a uma possibilidade de ruptura política, a Bolsa de Valores e o risco-Brasil teriam variações "em modo pânico", o que não aconteceu.

A gente preferia que ele não tivesse falado aquilo, mas o que está impactando o mercado de fato são questões mais estruturais
Thiago Salomão, analista da Rico Investimentos

Para ele, o principal fator para a desvalorização do real é a perspectiva de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) a menos de 1%. "Investidores não compraram a retomada do Brasil, e essa convicção só virá com crescimento." O desinteresse internacional no mercado brasileiro, disse, ficou evidente com o fracasso dos leilões de áreas do pré-sal, no início deste mês.

economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias