Geral

Desastre no Nordeste | Satélites dos EUA não conseguem detectar origem de óleo vazado em praias

Desastre no Nordeste | Satélites dos EUA não conseguem detectar origem de óleo vazado em praias

RESUMO DA NOTÍCIA

O órgão do governo americano especializado em identificar e conter vazamentos de petróleo no mar utilizou seus recursos tecnológicos mais avançados para ajudar o governo brasileiro a descobrir a origem do material fóssil que está poluindo as praias do Nordeste. O resultado, porém, acrescenta mais um toque de mistério às investigações sobre o que causou as manchas de óleo que se espalharam pela região.

Atendendo a uma solicitação do governo brasileiro, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) fez uma varredura em uma extensa área do Oceano Atlântico, próxima ao litoral nordestino, com base em imagens dos sistemas satelitais Sentinel 1 e Sentinel 2, operados pela Agência Espacial Europeia. Em alguns pontos, a varredura chegou a cobrir uma distância de mais de 700 quilômetros da costa brasileira.

Foram analisadas imagens entre 25 de agosto e 7 de outubro. O relatório enviado na semana passada a representantes do governo brasileiro, no entanto, aponta que não foram encontradas indícios de petróleo na área investigada.

"A cobertura de imagens em todos os dias foi limitada a uma pequena porção da área indicada, incluindo alguns dias sem cobertura", diz a legenda do mapa fornecido pela NOAA. Isso significa que os técnicos procuraram indícios de petróleo no mar em imagens feitas ao longo de várias semanas que cobrem toda a extensão da área hachurada, mas que as análises dia a dia só foram feitas em trechos menores dessa área.

"Infelizmente, a análise não identificou qualquer anomalia de petróleo para ajudar a identificar a fonte do vazamento. A análise foi conduzida de maneira consistente com a metodologia que os Estados Unidos usam para monitorar poluição por petróleo em nossas águas", informa o relatório com data de quinta-feira (10), ao qual este blog teve acesso.

Laudo diz que óleo no Nordeste foi produzido na Venezuela

Band Notí­cias

Como mostra reportagem do UOL, o uso de imagens de satélites para fazer buscas e investigações em alto mar esbarra em limitações técnicas.

Se havia uma entidade com capacidade tecnológica e experiência para fazer essa varredura com o que há de mais moderno em processamento de imagens satelitais, era a NOAA.

Todos os anos, a NOAA é acionada para monitorar mais de 150 vazamentos de petróleo e produtos químicos em águas americanas. Boa parte dessa atividade está concentrada no Golfo do México, área com intensa extração de petróleo offshore.

O fato de todo esse know-how não ter sido suficiente para solucionar o mistério do vazamento que provocou um desastre ecológico no Nordeste apenas dá força a teorias alternativas, algumas das quais chegam a ser mirabolantes e conspiratórias.

Por enquanto, uma das hipóteses aceitas é a de que o petróleo vazado, por suas características, "navega" por baixo da superfície da água e só aparece quando encontra um obstáculo, como uma praia ou as pedras do litoral. A outra é a de que a fonte do vazamento está submersa e continua liberando petróleo.