Esportes

Tricampeão da Fórmula 1, Niki Lauda morre aos 70 anos

Tricampeão da Fórmula 1, Niki Lauda morre aos 70 anos

O ex-piloto Niki Lauda morreu nesta segunda-feira (20), aos 70 anos, segundo o jornal “Die Presse”. O austríaco foi tricampeão da Fórmula 1, conquistando dois títulos pela Ferrari, em 1975 e 1977, e um pela McLaren, em 1984. Lauda também era presidente do Conselho de Supervisão da equipe da Mercedes na Fórmula 1 desde setembro de 2012.

Segundo a publicação, a família do piloto anunciou o falecimento em um e-mail na madrugada desta terça-feira (21) na Europa. Lauda teria falecido ao lado de seus familiares na noite desta segunda-feira (20).

“É com profundo pesar que anunciamos que nosso querido Niki morreu de forma pacífica ao lado de seus familiares. Suas conquistas únicas como atleta e empreendedor são e continuarão inesquecíveis, seu incansável entusiasmo pela ação, sua franqueza e sua coragem permanecerão como um modelo e uma referencia para todos nós. Ele era um marido, pai e avô amoroso e carinhoso longe do público, e sentiremos a sua falta”, informou o e-mail assinado pela família Lauda.

No verão europeu de 2018, o ex-piloto passou por cirurgia para realizar um transplante de pulmão. No começo deste ano, ele foi internado em um hospital em Viena por conta de uma gripe.

Lauda é, até hoje, o único a ter conquistado o título da Fórmula 1 competindo pela Ferrari e pela McLaren. O austríaco ainda é apontado por muitos especialistas e fãs do esporte como um dos maiores pilotos da história da modalidade. Ao todo, ele participou de 177 corridas, tendo conquistado 25 vitórias, 24 pole positions e 54 aparições no pódio.

O ex-piloto também ficou marcado pelo grave acidente que sofreu no GP da Alemanha, em Nurburgring, em 1976. Na ocasião, a Ferrari que era conduzida por Lauda pegou fogo e o ex-piloto sofreu graves queimaduras, além de inalar gases tóxicos com elevada temperatura, que causaram problemas em seu pulmão. Posteriormente, Lauda se recuperou e voltou a competir ainda na mesma temporada.

Fonte: UOL

Créditos: UOL