Esportes

Tite defende PSG por poupar Neymar: por que arriscar numa liga quase ganha?

O técnico Tite disse que entende a posição do PSG em poupar Neymar em partidas anteriores ao jogo contra o Borussia Dortmund pela Liga dos Campeões. Em entrevista ao jornal espanhol AS, o treinador da seleção brasileira lembrou que o time lidera o Campeonato Francês com folga e não teria motivo para arriscar perder o jogador que tratava uma lesão na costela.

"Eu entendo a situação. Neymar tem um histórico de lesões. Na Liga dos Campeões da temporada passada, ele se machucou, não jogou e o PSG foi eliminado. Então, por que ele vai jogar na liga francesa, que está praticamente ganha? Entendo que o clube não quer correr o risco de seu jogador mais importante sofrer ume lesão", disse.

Relacionadas

Neymar é eleito craque do mês de janeiro no Francês

Insatisfação de Neymar repercute na Europa: 'explodiu contra o clube'

Para Neymar, PSG criou "fogueira" ao preservá-lo antes de jogo decisivo

O assunto ganhou ares de polêmica no clube francês após a derrota por 2 a 1 para o Borussia Dortmund na Liga dos Campeões. Ao fim do duelo na Alemanha, na última terça, o jogador brasileiro se mostrou contrariado por ter sido poupado em quatro partidas anteriores ao jogo por causa de uma lesão na costela.

O PSG lidera o Campeonato Francês com 62 pontos, dez a mais do que o Olympique de Marselha. Na Liga dos Campeões, o jogo da volta contra o Borussia Dortmund será realizado no dia 11 de março, em Paris.

Tite está na Europa para observações visando a próxima convocação da seleção brasileira, que enfrenta em março Bolívia e Peru nas primeiras rodadas das Eliminatórias da América do Sul para a Copa do do Mundo de 2022.

A lesão

No dia 2 de fevereiro, Neymar sofreu uma queda no chão no primeiro tempo da partida contra o Montpellier e reclamou de dores nas costas. Ele ainda atuou até o fim do jogo, e somente dois dias depois foi noticiada uma lesão na costela. Enquanto a comissão técnica do PSG insistia ter um problema físico, o entorno do jogador rebatia nos bastidores com a não existência de uma lesão.

Ontem, Neymar falou sobre o assunto: "Isso (o veto) foi coisa decidida pelo clube e médicos e tive que acatar. Tive várias discussões, e não curti o que propuseram, mas respeitei. Isso acaba sendo ruim para mim e companheiros", destacou Neymar em entrevista ao Esporte Interativo após o confronto contra o Borussia Dortmund.

"Eu tive uma fissura, mas não era nada que me impedia de jogar. Já dava para atuar contra o Lyon (dia 9 de fevereiro), mas adiaram e adiaram novamente. Entendo o medo que o clube sofre, mas não pode ser assim. Só acaba sofrendo o jogador. Para mim foi complicado jogar uma partida como essa (contra o Dortmund) sem intensidade, sofrendo. Se tivesse boas condições físicas tenho certeza que seria melhor", complementou Neymar.