Esportes

Paquetá: Milan aceita emprestar e pagar parte dos salários

Lucas Paquetá e Eduardo Uram, seu empresário, foram claros a Maldini e Boban, dirigentes de futebol do Milan: querem sair para um campeonato europeu de bom nível ou para o Brasil.

Para o Milan, não há problema. O desempenho de Paquetá não anima ninguém. Só que não há propostas por ele, a não ser a do PSG (20 milhões de euros), recusada.

O jeito é um empréstimo por seis meses. O Milan aceita pagar parte dos salários de Paquetá, que recebe 1,8 milhão de euros por ano. É algo próximo de R$ 700 mil reais por mês.

O tempo de empréstimo é que não deve seduzir clubes brasileiros que participam da Libertadores. Terminaria antes do final da competição.

A torcida do Milan está dividida em relação ao jogador. Uma parte está revoltada por ele pedir para ficar fora do jogo contra o Brescia. E outra, acha que dele deveria ter mais chances.

O treinador Stefano Pioli diz que, um jogador com as qualidades técnicas de Paquetá, precisa ser mais incisivo. Ou seja, usando o "zagalês", deixar de ser tico tico no fubá.

Ele prefere escalar o argelino Bennacer, campeão da Copa da África no ano passado e eleito melhor jogador do torneio.

Paquetá só rendeu bem quando o treinador era Gattuso. Depois, na reserva, não conseguiu reagir animicamente. No dia 19, após a vitória contra a Udinese (não foi utilizado) e sentir-se mal. Foi atendido ainda no estádio e depois em uma clínica. O diagnóstico foi de ansiedade e estresse.