Esportes

Honda em ponto morto

Honda em ponto morto

Vi Botafogo 6 x 2 Cabofriense e Portuguesa 0 x 0 Botafogo. Os resultados evidenciam a enorme diferença de rendimento do time de Autuori entre um jogo e outro.

Só uma coisa foi igual: o fraco rendimento de Honda. O japonês se coloca como um volante de trânsição pela direita. Um construtor de jogadas, um dos responsáveis para que a bola chegue até Bruno Nazário ou Luis Henrique ou Luis Fernando e daí a Pedro Raul.

E o que se viu nos dois jogos foram passes laterais e muito pouca velocidade. Um trotezinho aqui e uma corridinha ali.

O índice de acerto dos passes impressiona. Acertou 109 e errou sete, segundo o footstats. Aproveitamento de 94%. Ótimo, mas Honda precisa arriscar mais e sair da zona de conforto. Precisa de passes que se transformem em gols.

Caso contrário, vai para os boxes mais cedo, como diz o amigo Nelson Nunes