Esportes

Funcionário de clube em AL chora ao ver filho jogar pelo time principal

Nem só de dribles e gols é feito o futebol. O torcedor do CRB Dário José protagonizou momentos de fortes emoções ao assistir o jogo do time contra o ASA, no Campeonato Alagoano, na última quarta-feira (12). Responsável por cuidar do gramado do Centro de Treinamento do clube, ele viu o filho jogar pela primeira vez no time principal com a camisa do Galo.

Diante do gigante do Agreste, em partida válida pela 3ª rodada da Série A do estadual, disputada no templo maior do futebol alagoano, o estádio Rei Pelé, entre os pouco mais de 3 mil torcedores que estavam nas arquibancadas, o pai, isolado no canto do setor geral e emocionado, chamou atenção nas redes sociais.

Relacionadas

Com Ceni, Fortaleza faz 1º jogo internacional e leva 2,5 mil pra Argentina

Atrás de goleiro, Botafogo-PB negocia com Felipe, ex-Corinthians e Flamengo

Gilberto faz dois gols, mas Bahia cede empate ao Ceará nos acréscimos

Apesar de ter nas mãos o gramado do CT do clube há mais de 25 anos, o regatiano nunca tinha visto o filho jogar em uma competição pelo time principal.

Era uma estreia de emoções não só para o pai, mas também para Darlisson Matheus, 19 anos, morador do bairro do Jacintinho, região periférica de Maceió, e cria da base do Galo desde os 8 anos.

Mesmo sendo eliminado da Copinha no dia 20 de janeiro pelo Taboão, Darlisson se destacou pela velocidade e ousadia diante dos adversários como já são definidas suas características pela imprensa local. Marcou um gol diante do Inter de Limeira e foi promovido junto a outros quatro jogadores ao elenco principal. Ambidestro, entrou com perna direita aos 28 minutos do segundo tempo no jogo da estreia e até arriscou algumas tentativas de gol diante do time do agreste.

Ao vê-lo em campo com os profissionais, comandado pelo técnico Marcelo Cabo, o funcionário desabou em lágrimas. O registro ficou por conta dos torcedores regatianos que apoiavam a contratação do jogador desde a Copa São Paulo de Futebol Júnior deste ano. "Ver meu filho estrear no profissional foi um momento de muita felicidade para mim. Não aguentei", disse o pai.

"Eu morro pelo CRB. Ele significa muito pra mim. É minha casa e tenho muito orgulho em ser funcionário do clube e farei tudo por ele dou até minha vida pelo CRB".

Antes mesmo dos 8 anos, o garoto já tinha intimidade com a redonda. "Eu levava ele para o CT quando era no bairro da Pajuçara. Ele tinha 6 anos de idade aí ele ficava brincando no campo e eu trabalhando. Eu colocava uma cadeirinha na minha bicicleta e ele ia comigo", contou Dário.

Em 2015, Darlisson conquistou o título de campeão sub-15 da Copa Super Gol, no Rio Grande do Norte, pelo Regatas. O jeito tímido esconde o apetite pelos gols. Na mesma competição conquistou também a artilharia, marcando sete.

"Bateu o frio na barriga"

Apesar de um momento esperado há muito, a estreia no profissional causou nervosismo ao jovem jogador. "O professor falou para eu ficar esperto e no aquecimento meus companheiros também falaram a mesma coisa. Falaram que ele iria me colocar, então continuei aquecendo forte", detalha Darlisson sobre o incentivo dos colegas de clube.

"Quando ele me chamou bateu o frio na barriga. Ele me chamou e falou para eu ter calma e entrar com personalidade".

O filho reconhece o esforço do pai em sua embrionária carreira e retribui com dedicação a curta trajetória. Apesar de saber que estaria diante dos olhos do seu Dário, Darlisson só ficou sabendo do choro, muito tempo depois do apito final.

"Terminou o jogo, eu saí do estádio e não estava sabendo de nada porque meu celular estava desligado. Quando cheguei em casa e liguei o celular, entrei no Instagram. Foi a primeira coisa que apareceu no aplicativo", lembrou emocionado. "É um momento único e muito especial para mim e toda minha família".

Sem oportunidade, pensou em desistir

No clube há mais de 10 anos, o jogador passou por altos e baixos dentro e fora das quatro linhas, pensando até em desistir da carreira, que mal tinha começado a dar os primeiros passos.

"Chegou um tempo que eu cheguei para o meu pai e falei que iria largar o futebol. Estava há quase 10 anos jogando e não tinha tido uma oportunidade no profissional. Ele falou para ter calma e que minha hora ia chegar", disse o estreante.

O conselho de pai para filho funcionou. Não demorou muito e Darlisson vestiu a camisa do elenco principal. Sua mãe, dona Sabrina Silva, também incentivou o garoto e enfatizou: "se você chegou até aqui, você aguenta mais um pouco".

Apesar de não ter sido relacionado para o desafio do Galo contra o América, do Rio Grande do Norte, ontem (15), pela Copa do Nordeste, na Arena das Dunas, o jogador viajou com o grupo para ganhar experiência. A expectativa é que o próximo jogo como titular seja contra o Paysandu, no Curuzu, pela Copa do Brasil, na quarta-feira, 19.