Esportes

Fã de Messi e Maradona, diretor explica lado cômico de série sobre Fifagate

Classificação e Jogos

Armando Bo é torcedor do Independiente e se classifica como fanático por Messi e Maradona. É indiscutível, portanto, que o diretor e roteirista da série 'El Presidente", sobre o escândalo de corrupção conhecido como Fifagate que o Amazon Prime Vídeo estreia nesta sexta (5), gosta de futebol. Mesmo daquele jogado fora das quatro linhas.

Como o blog mostrou em resenha no dia 23 de maio, os cartolas retratados na série, todos enroscados com a justiça acusados de corrupção (alguns foram presos) são caricatos: mulherengos, só pensam em dinheiro e chutam a ética como se fosse uma bola rolando na entrada da área.

"A ideia foi contar a história como uma sátira, com um lado humorístico, que acho que era o mais indicado para mostrar o circo que é o mundo do futebol. Não dava para contar tudo isso se não fosse como uma comédia", disse Bo em entrevista ao blog.

Aos 41 anos, o argentino tem no currículo um Oscar pelo roteiro original do filme Birdman, em 2014. Para montar o roteiro de "El Presidente", Bo contou que a principal dificuldade era encontrar o tom dos personagens, já que as histórias estavam praticamente construídas por meio de matérias de jornais e programas de televisão que relataram o Fifagate.

"É uma história real, portanto o difícil era decidir o que iríamos contar de tudo isso", disse. A criatividade do roteiro real das negociatas dos dirigentes sul-americanos era tão sensacional, segundo ele, que não foi preciso criar muitos ganchos imaginários, comuns nesses tipos de programas.

"Por exemplo: é impressionante a Conmebol ter uma imunidade diplomática [a confederação sul-americana, com sede no Paraguai, não poderia ser investigada porque era considerada território neutro. Isso mudou após a corrupção vir à tona]. A história toda estava ali, só precisávamos encontrar o tom humorístico que eu queria", disse Bo.

Bo encontrou esse tom, principalmente com o protagonista, Sergio Jadue (interpretado pelo colombiano Andrés Parra), o então presidente da ANFP, a CBF do Chile. Até certo ponto atrapalhado, Jadue consegue em quatro anos sair da presidência do pequeno Unión La Calera para a chefia da ANFP e vice-presidência da Conmebol. E, claro, se mete nas maracutaias dos cartolas mais antigos — todos enroscados por receberem propinas para vender direitos comerciais de torneios a empresas de marketing esportivo.

"Jadue é um personagem muito interessante, toda a história de sair de um clube pequenino e logo estar entre os maiores dirigentes do futebol mundial, não apenas sul-americano. Contar a história desse ponto de vista ajudou no ritmo de comédia que eu pretendia", disse Bo.

A série tem um narrador peculiar: o argentino Julio Grondona, chefão por anos da AFA, a CBF da Argentina, mas não apenas da AFA. Grondona foi o homem mais poderoso do futebol da América do Sul e mais influente do que o próprio presidente da Conmebol. Ele morreu em 2014, pouco antes de o Fifagate estourar. "Tudo começou a desmoronar para esses dirigentes quando o Julio morreu. Como partimos para a sátira, achamos legal o Julio contar a história depois de morto. E ele, claro, era o homem que sabia de tudo e de todos".

Como não poderia faltar em um bate-papo entre um brasileiro e um argentino, a eterna discussão veio à tona: quem foi melhor, Pelé ou Maradona? "Maradona e Messi, os dois foram melhores do que Pelé", disse Bo. "E Messi é melhor do que Maradona. Está há 14 anos jogando em alta qualidade, é impressionante", finalizou. Nessa parte discordei do entrevistado.