Esportes

Com mais taças que derrotas, Jesus mira posto de maior da história do Fla

Em um ano de Flamengo, Jorge Jesus já escreveu seu nome na galeria dos imortais do clube. De contrato renovado até junho de 2021, o Mister agora busca se consolidar de forma absoluta como o maior técnico da história do Rubro-Negro, posto que já pertence ao português para muitos torcedores.

Com cinco troféus conquistados na Gávea, o treinador português tem mais voltas olímpicas do que derrotas, já que perdeu só quatro de 51 partidas. Sob sua batuta, o Fla levantou a Libertadores, o Brasileiro, a Recopa, a Supercopa e a Taça Guanabara. O Mundial escapou, mas essa ainda é uma obsessão do luso.

"As expectativas são as melhores pela grandiosidade desde clube. É o maior e melhor do Brasil. Nossa convicção é a mesma do ano passado, faltou a cereja do bolo, ficou um espinho atravessado na garganta com o Mundial. Vamos trabalhar para voltarmos. Ganhamos vários troféus, mas isso é passado", disse ele à "FlaTV".

Jesus tem a companhia de rubro-negros históricos dentre os grandes que comandaram o Fla em 124 anos. Líderes em outras conquistas nacionais e internacionais, Paulo César Carpegiani e Carlinhos têm lugar certo nesta lista. Arquiteto da equipe que venceu a Libertadores e o Mundial, Claudio Coutinho é sempre lembrado, assim como Flávio Costa, recordista com 777 jogos. O paraguaio Fleitas Solich e o tetracampeão Zagallo também fazem parte deste time.

Discussões à parte, os números dão muita força a Jesus neste debate sobre o número 1. Além das conquistas, ele soma 38 vitórias e nove empates em seus 51 jogos. O Fla do Mister marcou 118 gols, sofreu 45 e tem um aproveitamento de 80%. Se repetir a façanha de dominar o Brasil e a América, o trono dificilmente escapará.

"Quando cheguei ao Brasil, disse que o Flamengo era um dos maiores clubes do mundo em termos de torcedores. Passado um ano, estamos a cada dia maiores. Jogamos para uma nação que nos adora. Se estou num lugar que me faz feliz, esse é o fator número 1 da minha escolha", acrescentou.

Alexandre Vidal / Flamengo
Imagem: Alexandre Vidal / Flamengo

O acordo entre as partes até o meio de 2021 foi a forma encontrada pelo clube para se proteger economicamente e garantir a permanência do treinador pelo maior tempo possível. O desejo do Fla era que o novo acordo valesse até o final do ano que vem, mas o Mister não topou. Ante ainda a imprevisibilidade do calendário, o português achou melhor permanecer por só mais um ano. Além disso, o Rubro-Negro teria de dar a ele uma cláusula de saída no meio do ano que vem sem penalidades ao técnico.

O final feliz trouxe alívio para o clube e aumentou ainda mais o apetite do comandante por novos campeonatos. Já com cadeira cativa na história rubro-negra, o Mister mira o topo.