Entretenimento

Rio de Janeiro | Deboche na avenida

Rio de Janeiro | Deboche na avenida

Escola da zona sul do Rio de Janeiro, a São Clemente completa neste ano uma década inteira na elite do Carnaval carioca, fato inédito em sua história. Desde 2011 sem cair para a Série A (grupo de acesso), a agremiação levou à Sapucaí uma crítica à malandragem com o tema "O Conto do Vigário".

Com o humorista Marcelo Adnet entre os compositores, o samba da São Clemente contou fatos históricos envolvendo política e corrupção e mostrando como o "jeitinho" entrou no comportamento brasileiro.

Bem-humorado e debochado, o desfile pareceu um programa de Adnet. Além de compor, o humorista desfilou interpretando o presidente , com direito a "arminha" com a mão e flexões erradas. Cartazes mostraram bordões mentirosos do atual governo, como "A Terra é Plana".

Marcelo Adnet imita o presidente Jair Bolsonaro em desfile da São Clemente - Thyago Andrade/Ag News
Marcelo Adnet imita o presidente Jair Bolsonaro em desfile da São Clemente
Imagem: Thyago Andrade/Ag News
Adnet ainda chamou seus colegas de "Escolinha do Professor Raimundo". Mateus Solano foi seu "laranja", Érico Brás interpretou um "corretor lunar", que vende terrenos na Lua, e Marcos Veras foi um fazendeiro que caiu no golpe. Paulo Vieira representou um político cheio de regalias na cadeia.

O livro "Os Contos e os Vigários", do professor e historiador José Augusto Dias Jr. (1961-2019), foi o ponto de partida da pesquisa para o enredo.

A comissão de frente e o carro abre-alas narraram a história da expressão "conto do vigário". No século 18, dois vigários de Ouro Preto (MG) disputaram a imagem de Nossa Senhora, e um deles propôs que a santa fosse amarrada a um burro, sem falar que o animal já estava acostumado a ir para sua paróquia.

O VAR (arbitragem de vídeo), utilizado recentemente no futebol, e as notícias falsas, com uma alfinetada ao presidente, também foram citados no samba da São Clemente: "Brasil, compartilhou, viralizou, nem viu! E o País inteiro assim sambou, 'caiu na fake news!'".

Bateria da São Clemente fantasiada de laranja - Lucas Landau/UOL
Bateria da São Clemente fantasiada de laranja
Imagem: Lucas Landau/UOL
A bateria, fantasiada de laranja, representa o verso "Tem laranja! Na minha mão, uma é três e três é dez!", mas além do erro matemático há uma crítica política ao , com candidaturas laranjas do partido que elegeu Bolsonaro à Presidência.

O ex-presidente Fernando Collor também foi cutucado na ala dos "caçadores de marajás", como o ex-chefe do Executivo se apelidou quando foi eleito, em 1989. A São Clemente também criticou políticos que trocam votos por dentaduras em cidades mais pobres. Raphaela Gomes, rainha de bateria, desfilou fantasiada de Polícia Federal.

Na sequência, passarão pela Marquês da Sapucaí: Unidos de Vila Isabel, Acadêmicos do Salgueiro, Unidos da Tijuca, Mocidade Independente de Padre Miguel e Beija-Flor.

"O Conto do Vigário"

Autores: Marcelo Adnet , André Carvalho, Pedro Machado, Gustavo Albuquerque, Gabriel Machado, Camilo Jorge, Luiz Carlos França e Raphael Candeia.

Intérpretes: Leozinho, Bruno Ribas e Grazzi Brasil.

O sino toca na capela e anuncia
Nossa Senhora, começou a confusão!
Quem vai ficar com a imagem de Maria?
O burro vai tomar a decisão
Mas o jogo estava armado
Era o conto do vigário
Nessa terra fértil de enredo
Se aprende desde cedo
Todo papo que se planta dá
Dom João deu uma volta em Napoleão
Fez da colônia dos malandros capital
Trambique, patrimônio nacional

Tem laranja!
"Na minha mão, uma é três e três é dez!"
É o bilhete premiado vendido na rua
Malandro passando terreno na lua!

Hoje, o vigário de gravata
Abençoa a mamata
Lobo em pele de cordeiro
"Trago em três dias seu amor"
"La garantia soy yo!"
"Só trabalho com dinheiro"
Chamou o VAR, tá grampeado
Vazou, deu sururu
Tem marajá puxando férias em Bangu!
Balança na rede
Abre a janela, aperta o coração
O filtro é fantasia da beleza
Na virtual roleta da desilusão

Brasil, compartilhou, viralizou, nem viu!
E o País inteiro assim sambou
"Caiu na fake news!"

Meu povo chegou, ô, ô!
A maré vai virar, laiá!
Na ginga, pra frente, lá vem São Clemente
Sem medo de acreditar!