Educação

Apps criados por estudantes serão usados por alunos de escola pública

Apps criados por estudantes serão usados por alunos de escola pública

Dezenove projetos de aplicativos criados por estudantes, professores e designers serão utilizados por alunos do Ensino Médio de escolas públicas. As propostas foram vencedoras da 2ª Edição da Maratona UNICEF Samsung, que anunciou os premiados em evento virtual nesta segunda-feira (24). Cada integrante dos projetos ganhará R$ 1 mil.

Ao todo, participaram da competição 314 projetos. Os vencedores focaram em temas como acessibilidade digital para pessoas com deficiências auditivas e visuais, sexualidade, promoção da igualdade de gênero, prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), esporte e sustentabilidade.

As propostas deveriam reunir ao menos duas das áreas de conhecimento da Base Nacional Comum Curricular  - Linguagens e suas Tecnologias, Matemática e suas Tecnologias, Ciências da Natureza e suas Tecnologias ou Ciências Humanas e Sociais Aplicadas. Além disso, o projeto precisaria atender a pelo menos um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

Projetos

Entre eles está o Biolingue5, de uma equipe catarinense. O aplicativo compartilha informações sobre Biologia e História para alunos ouvintes e surdos do 1º ano do Ensino Médio por meio de um game acessível e dinâmico. Além dele, compõe a lista de vencedores o Cientistas Temporais, criado por estudantes do Piauí, e adaptado para daltônicos. O app ajuda alunos a compreender conceitos científicos e históricos demonstrando historicamente como surgiu cada descoberta.

O EnglishTalkers, desenvolvido por estudantes de Alagoas, associa o aprendizado de lígua inglesa ao de aspectos culturais e geográficos de quatro países: África do Sul, Austrália, Estados Unidos e Inglaterra. Há também o app Os Conselheiros, criado por jovens de Tocantins. Nele, os participantes gerenciam uma cidade, tomando decisões coletivas frente a diversas situações apresentadas pela comunidade.

Pandemia


Em decorrência da pandemia da covid-19, durante boa parte da Maratona, que teve início em outubro de 2019, as reuniões tiveram que ser realizadas remotamente. O fato, claro, implicou em mais um desafio para as equipes, mas os resultados não deixaram a desejar.

"Estamos muito felizes pela trajetória que os times construíram. Tivemos que enfrentar esse momento difícil globalmente, mas, mesmo assim, conseguimos fazer muitas coisas acontecerem e chegar aqui nesse evento de encerramento", afirmou o Chefe de Educação da UNICEF, Ítalo Dutra.

"Os projetos desenvolvidos ao longo desses meses comprovam que quando estudantes, professores e profissionais de tecnologia se unem em prol da educação, os resultados são imensos e todos ganham", completou a Gerente de Cidadania Corporativa da Samsung Brasil, Isabel Costa.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Clarice Sá