Economia

Mais tempo e risco | Juro baixo deixa tarefa de poupar para se aposentar mais árdua

Mais tempo e risco | Juro baixo deixa tarefa de poupar para se aposentar mais árdua

As pessoas estão vivendo cada vez mais, mas preparar uma velhice confortável ainda é privilégio de poucos: só 21% dos brasileiros se planejam financeiramente para a aposentadoria, segundo pesquisa da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima) com o Datafolha. E juntar dinheiro para se aposentar está ficando ainda mais desafiador devido aos juros baixos.

Com a queda da taxa de juros, o retorno dos investimentos em renda fixa, considerados mais seguros, também cai. Hoje, a Selic está a 5,5% ao ano, mas o mercado financeiro acredita que ela deve cair para 4,75% no final do ano, uma nova mínima histórica.

Já não é possível fazer um bom colchão para a velhice sem olhar para as alternativas de maior risco, segundo o consultor financeiro André Massaro. "A rentabilidade da renda fixa não dá mais. Os retornos hoje inviabilizam a criação de um patrimônio de longo prazo."

É preciso correr mais riscos

Nesse cenário, será preciso investir em produtos financeiros que trazem maiores retornos, porém têm mais riscos, como é o caso da renda variável.

"No Brasil, alguns produtos que já foram considerados superagressivos, como ações, fundos de índices, fundos de ações e fundos imobiliários, terão que fazer parte da carteira de investimentos da pessoa comum, como ocorre em outros mercados mais desenvolvidos", afirmou.

Ele cita como exemplos EUA e Europa, onde é comum a recomendação de investir 60% do patrimônio em renda variável e 40% em renda fixa, algo que no Brasil seria considerado quase uma "loucura".

Outras opções de investimentos para diversificar a carteira da aposentadoria são fundos de gestão de crédito privado, fundos multimercados e fundos de previdência, segundo a Planejar (Associação Brasileira de Planejadores Financeiros). A escolha vai depender do perfil do investidor, dos objetivos e das necessidades ao longo do tempo.

"A carteira de investimentos para a aposentadoria deve ponderar produtos de investimento com pelo menos três objetivos: superar a inflação, crescer mais aceleradamente e cobrir eventuais necessidades sucessórias", disse Eliane Tanabe, planejadora financeira certificada pela Planejar.

Economizar mais e por mais tempo

Além do maior apetite a risco, os investidores que pretendem poupar para a aposentadoria precisarão economizar mais e por um tempo mais longo. Um dos motivos é que a expectativa de vida deve continuar aumentando, e é difícil saber quanto tempo vamos viver a mais que os nossos pais.

"Hoje a gente pensa em viver 75 a 80 anos, mas, daqui a 20 anos, podem surgir curas para doenças que nos permitam viver 120 anos", disse Massaro.

Outro fator a ser considerado é a reforma da Previdência, que estabelece uma idade mínima para se aposentar: 62 anos, para mulheres, e 65 anos, para homens.

Segundo a especialista da Planejar, neste contexto é importante fazer um esforço maior para economizar ao longo da vida, procurando fazer escolhas inteligentes, principalmente para cortar os gastos pontuais ou supérfluos.

"Tudo isso para que quando a pessoa não quiser ou não puder mais trabalhar, ou quiser reduzir o seu ritmo de trabalho, possa viver de renda com equilíbrio e tranquilidade, preferencialmente, de forma independente", disse Eliane.

Arriscar aos poucos e começar cedo

Os especialistas consultados pelo UOL recomendam começar a experimentar investimentos de maior risco, mesmo que com pequenos valores. Dessa maneira, o investidor pode perder o medo de arriscar mais. "Muitas vezes o que paralisa as pessoas não é o medo de perder, mas o medo do desconhecido", disse Massaro.

Outra dica é começar a pensar em economizar para a velhice o quanto antes. Isso porque quem dá os primeiros passos mais cedo pode se beneficiar dos juros compostos e escolher os produtos com maiores retornos esperados no longo prazo, pois terá tempo para recuperar eventuais perdas de curto prazo, segundo Sandra Blanco, consultora de investimentos da Órama.

Gostou deste texto? Assine a newsletter UOL Investimentos para receber informações como esta em primeira mão no seu email.

Descomplique: 5 coisas que você precisa saber sobre o Tesouro Direto

UOL Notícias