Economia

Maia critica 'peso real' e BC nega existência de proposta de moeda única

Maia critica 'peso real' e BC nega existência de proposta de moeda única

A declaração do presidente Jair Bolsonaro, que durante visita à Argentina, disse que a equipe econômica estuda criar uma moeda comum para Brasil e Argentina foi negada pelo Banco Central (BC). Em nota, divulgada na noite de quinta-feira, a instituição  informou que não há projetos nem estudos em andamento para a criação de moeda única, que segundo Bolsonaro já tem até nome, “peso real”.  Na manhã desta sexta-feira, 7, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou a ideia.

De acordo com o BC, não existem projetos de unir as moedas de Brasil e Argentina. “Há tão somente, como é natural na relação entre parceiros, diálogos sobre estabilidade macroeconômica, bem como debates acerca de redução de riscos e vulnerabilidades e fortalecimento institucional”, comunicou a instituição, em nota.

Pelo Twitter, Rodrigo Maia fez uma série de questionamentos para criticar a ideia defendida por Bolsonaro durante a visita ao país vizinho. “Será? Dólar valendo R$ 6,00? Inflação voltando? Espero que não”, disse o deputado. Entre as interações com o post do presidente da Câmara, a maioria dos internautas criticou o posicionamento de Maia. Há quem acuse de “fake news” a informação, embora o próprio presidente Jair Bolsonaro tenha falado sobre o “sonho de uma moeda única” e há quem apoie a ideia, acreditando que isso impulsionaria a economia dos dois países.

Durante visita à Argentina, onde se encontrou com o presidente Maurício Macri, Bolsonaro afirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, deu “o primeiro passo para um sonho de uma moeda única na região do Mercosul, o peso real”. Um porta-voz do Ministério das Finanças da Argentina confirmou negociações nesse sentido.

Questionado sobre os estudos e as declarações de Guedes confirmando a intenção da nova moeda a empresários, o Ministério da Economia não se posicionou até a publicação desta reportagem.

A iniciativa teve poucos detalhes revelados e foi apresentada como um projeto de “muito a longo prazo”, “É algo muito a longo prazo. A moeda comum pode ser um projeto de longo prazo, mas requer uma convergência macroeconômica prévia”, disse uma fonte argentina à Agência Efe, confirmando que Paulo Guedes e o ministro da Fazenda da Argentina, Nicolás Dujovne, avançaram nas conversas e voltarão a tratar o tema na próxima cúpula do G20, em Osaka (Japão), no final deste mês.

Tanto o peso argentino – que tem sido altamente volátil e desvalorizado em mais de 50% no ano passado – quanto o real são duas moedas de mercados emergentes que sofrem de forma habitual as oscilações da economia internacional e os dois países, especialmente a Argentina, registram inflação alta.

(Com Estadão Conteúdo, EFE e Reuters)