Economia

Há uma reação franca de países árabes contra Bolsonaro, diz CEO da BRF

Há uma reação franca de países árabes contra Bolsonaro, diz CEO da BRF

Pedro Parente chegou à empresa de alimentos em junho para retomar o crescimento (Simon Dawson/Bloomberg/Getty Images)

O presidente da BRF, Pedro Parente, afirma estar preocupado com as exportações da empresa para os países árabes devido a declarações do presidente-eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Segundo o ex-presidente da Petrobras, que comanda o frigorífico desde junho, as palavras de Bolsonaro não estão ajudando o país a vender mais para o Oriente Médio.

“Temos visto uma reação franca dos países árabes, então esperamos que seja uma retórica de campanha [de Bolsonaro]”, disse Parente.

Jair Bolsonaro (PSL), em entrevista recente, afirmou que não voltará atrás na decisão de mudar embaixada em Israel para Jerusalém

Jair Bolsonaro (PSL), em entrevista recente, afirmou que não voltará atrás na decisão de mudar embaixada em Israel para Jerusalém (Band/Reprodução)

No final da campanha eleitoral e também depois de eleito, Bolsonaro afirmou que mudará a embaixada brasileira em Israel para Jerusalém. Hoje, ela está localizada em Tel Aviv. O movimento repete a polêmica decisão do presidente americano, Donald Trump, que, no final de 2017, decidiu transferir a embaixada americana para Jerusalém. A cidade é o epicentro de um conflito histórico entre judeus e muçulmanos.

A BRF é a maior exportadora de carnes de aves do mundo e, assim como outros processadores de alimentos brasileiros, apostaram muito nas exportações de carne halal para países muçulmanos nos últimos anos.

O Brasil exporta mais de 5 bilhões de dólares de carne halal por ano, mais que o dobro em relação a seus rivais mais próximos, como a Austrália e a Índia, de acordo com dados da consultoria Salaam Gateway. No total, o Brasil exporta 16 bilhões de dólares anualmente ao Oriente Médio e à Turquia, e apenas 3 por cento disso é dirigido a Israel, segundo o governo federal. 

Uma das reações creditada às falas de Bolsonaro foi o cancelamento de uma viagem do ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, ao Egito, às vésperas do chanceler desembarcar no Cairo. A visita era oficial. A embaixada egípcia afirma que houve problemas de agenda para receber o ministro, o que causou o cancelamento. A viagem não foi remarcada.

Parente, que deu entrevista em Nova York, afirmou também que os investidores não verão tão cedo os resultados das mudanças na BRF. “Realisticamente, isso não acontecerá em menos de dois anos”, disse Parente, acrescentando que um de seus maiores desafios como CEO é “gerenciar as expectativas dos investidores”.

 

Parente deixou seu cargo de presidente-executivo da estatal Petrobras para elaborar e implementar um plano de recuperação na BRF depois que escândalos de corrupção e de segurança alimentar corroeram as vendas da empresa. A empresa foi investigada pela Polícia Federal no âmbito da operação Carne Fraca no início de 2017.

Em abril deste ano, Parente foi nomeado presidente do conselho de administração da empresa, antes de assumir o papel adicional de presidente-executivo, em junho. Ele deve deixar o cargo executivo em meados de 2019 e ser substituído pelo vice-presidente de Operações, Lorival Luz.

A administração da empresa disse publicamente que espera que as margens parem de cair no próximo ano e atinjam sua média histórica, estimada em dois dígitos baixos, em 2020. Somente em 2021 as margens podem subir acima desse nível, disseram executivos da empresa.

Em abril, as ações da BRF atingiram o nível mais baixo desde dezembro de 2009. Desde então já subiram 10%, mas ainda acumulam queda de cerca de 45% até agora em 2018.

“Não estou usando atalhos e não estou interessado em mostrar bons números trimestrais se eles não forem sustentáveis”, disse Parente. O CEO e Luz disseram que esperam reduzir os custos industriais em 30% em um processo previsto para levar cerca de um ano.

A chave para a recuperação será o mercado interno brasileiro, que deve ser a espinha dorsal para a sustentação de operações lucrativas da empresa, disse Parente. Um segmento importante é o serviço de alimentação, onde a BRF vem perdendo participação de mercado depois que a ex-diretoria demitiu a maior parte de sua equipe de vendas em um esforço de redução de custos.

Com Reuters