Economia

Greve geral: Prefeitura de SP suspende rodízio e libera zona azul

Greve geral: Prefeitura de SP suspende rodízio e libera zona azul

A Prefeitura de São Paulo suspendeu o rodízio de veículos e liberou a zona azul na cidade nesta sexta-feira, 14, data marcada pelas centrais sindicais para a greve geral contra o projeto de reforma da Previdência. A medida é válida para o dia todo em razão da possibilidade de paralisação no transporte público. Também será suspensa a Zona Máxima de Restrição a Fretados. As restrições de circulação para caminhões seguem valendo normalmente.

“As ações foram definidas preventivamente para o caso de o Sindicato dos Motoristas não cumprir a decisão judicial obtida pela SPTrans junto ao Tribunal Regional do Trabalho, durante a tarde desta quarta-feira, que determina a manutenção da operação dos ônibus durante a sexta, sob pena de multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento”, informou a Prefeitura, em nota. A Prefeitura informou ainda que a SPTrans vai monitorar a operação dos ônibus e prestar todas as informações pelo site, redes sociais e pelo telefone 156. A CET também vai reforçar o efetivo em toda a cidade, para orientar passageiros e motoristas.

As faixas reversíveis irão seguir a operação normal nesta sexta-feira, tanto no período da manhã, quanto no da tarde. Para quem realiza distâncias curtas, a recomendação da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes é a utilização de bicicletas ou que façam seus trajetos a pé. “Além disso, é importante planejar o caminho e conversar com colegas de trabalho e vizinhos para organizar caronas solidárias”, informou, em nota.

Para aqueles que optarem pelos táxis, as tarifas vigentes são as seguintes: bandeira 1 (das 6h às 20h, de segunda a sábado) – R$ 4,50 mais a tarifa de R$ 2,75 por quilômetro rodado; Bandeira 2 (das 20h às 6h, de segunda a sábado, e o dia todo aos domingos) – Acréscimo opcional de 30% sobre a tarifa quilométrica. A prefeitura também apresentou como alternativa o SPTaxi, aplicativo desenvolvido pela administração municipal para facilitar a conexão entre os passageiros e os taxistas, possibilitando descontos que podem variar de 10% a 40% sobre o valor registrado no taxímetro, conforme disponibilidade e demanda no local e horário da corrida. No momento da chamada, o passageiro poderá escolher a faixa de desconto de sua preferência e a forma de pagamento, que, atualmente, pode ser feito em dinheiro, cartões de crédito ou débito, diretamente ao motorista.