Economia

Fundo investe R$ 20 mi na criação de bancos digitais

Fundo investe R$ 20 mi na criação de bancos digitais

O fundo de investimento global RedLions Capital investirá 20 milhões de reais para criar a estadunidense BTX Digital, empresa especializada em construir bancos digitais para companhias com faturamento acima de 100 milhões de reais por ano. A nova empresa vai operar no Brasil e terá sede em São Paulo. Na prática, o serviço para o consumidor é o de um banco tradicional: será possível pagar contas, fazer transferências, ter uma conta-corrente. A diferença é que os serviços serão online.

A BTX será responsável por todo o investimento nos bancos criados. As empresas contratantes não entrarão com dinheiro. Em troca, o controle oficial do banco será dividido: metade dos clientes e metade da BTX. O retorno de investimento, de acordo com Rafael Pimenta, co-presidente da BTX, virá de 12 meses a 18 meses, impulsionado pela alta tecnologia presente no negócio.

Segundo a BTX, cinco clientes já fecharam contrato: Fashion Bank, do grupo Mega Polo Modas e mais sete shoppings; o StudentBank, da associação de estudantes do Brasil; o AppBank, da Fábrica de Aplicativos, que possui 0,5% de todas as lojas de app do mundo; e o MagBank, da Igreja Universal. O quinto nome, porém, ainda é mantido em sigilo. Outros 20 clientes estão em negociação. Entre eles, estão famosos (de celebridades da música ao esporte) que já demonstraram interesse em criar os próprios bancos. Isso porque, a expectativa é que o negócio seja rentável e ofereça vantagens para seus usuários.

A BTX cria banktechs, espécie de junção de várias fintechs –empresas que buscam otimizar os sistemas financeiros. Cada banco digital criado pela BTX necessitará da criação, na maioria dos casos, de outras seis empresas que vão lidar com um aspecto diferente da operação financeira. Por exemplo, um cliente da BTX pode querer uma operação diferenciada em máquinas POS (máquinas de cartão sem fio e que funcionam por wireless). Isso porque, caberá a cada cliente escolher os produtos e serviços que vai oferecer em seu banco, o que demandará características específicas estruturais.

A concorrência, no entanto, tende a ser grande. Além dos bancos digitais já conhecidos como o Nubank e o Next, marcas como Via Varejo já anunciaram a criação de suas próprias operações. Na área de criação de bancos digitais, também estão empresas como a Indra, multinacional da área de tecnologia, que abriu uma unidade voltada para o setor no Brasil.

De acordo com Pimenta, o grande diferencial da BTX é que o consumidor vai poder unir a praticidade dos bancos digitais com vantagens exclusivas. Entre elas, estaria o custo das contas. Como a BTX controlará muitos bancos, terá mais moeda de troca nas negociações com outros agentes, como tarifas, segundo o executivo. Os consumidores controlarão as suas contas nesses bancos por meio de aplicativos, que vão estar disponíveis em iOS, Android e WindowsPhone, de acordo com Pimenta.