Economia

ECONOMIA: PIB da Paraíba cresce quase 13% em sete anos, diz IBGE

ECONOMIA: PIB da Paraíba cresce quase 13% em sete anos, diz IBGE

O crescimento acumulado do Produto Interno Bruto (PIB) da Paraíba entre os anos 2010 e 2017 foi de 12,9%. Os dados são do Sistema de Contas Regionais, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quinta-feira (14).

O resultado aponta que os valores acumulados estão acima da média do Brasil, de 3,7% e também do Nordeste, de 6,5%. Entre os estados da região Nordeste, a Paraíba apresentou o 3º melhor resultado no mesmo período.

Já em 2017, o PIB da Paraíba registrou uma queda de 0,1% no volume, em comparação ao ano de 2016. Junto com Rio de Janeiro e Sergipe, o estado foi um dos únicos do país a registrar variação negativa de volume. Apesar disso, o crescimento nominal, que não considera o desconto da inflação, foi de 5,6% no mesmo período e o montante atingiu R$ 62,39 bilhões.

O PIB paraibano teve uma participação de 6,5% no total do Nordeste e de 0,9% no nacional. Em termos de volume, a economia do estado se manteve estável. A variação em volume foi de -0,1%, influenciada pelo desempenho negativo da Indústria, de -4,5%, não compensada pela variação dos Serviços, de 0,5%.

Agropecuária foi o setor que mais cresceu na Paraíba

A agropecuária foi o grupo de atividade que mais cresceu em volume, com 8,9%, devido ao ganho de todas as atividades: agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura.

Já a indústria registrou variação em volume negativa. Influenciaram no desempenho do setor os recuos em volume de indústrias extrativas, de construção e de indústrias de transformação.

Por outro lado, a atividade eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação contribuiu de forma positiva por causa do aumento da produção de geradoras de energia eólica e do tratamento e distribuição de água e esgoto.

O grupo de atividade de serviços aumentou a participação em 0,7 ponto percentual, passando a concentrar 81% da economia do estado, em 2017.