Economia

Divisão de aviação civil da Embraer passa a se chamar Boeing Brasil – Commercial

Divisão de aviação civil da Embraer passa a se chamar Boeing Brasil – Commercial

A empresa resultante da fusão entre a Embraer e Boeing passa a se chamar Boeing Brasil – Commercial. A venda de 80% da divisão de aviação comercial da fabricante brasileira de aviões para a americana foi formalizada em fevereiro deste ano. O anúncio do novo nome foi feito nesta quinta-feira, 23, aos funcionários.

O acordo de 5,26 bilhões de dólares (cerca de 21,3 bilhões de reais) foi firmado em dezembro do ano passado entre as companhias. Para ser aprovada, a venda precisou passar pelo conselho das duas empresas e também pelo governo brasileiro, que detinha uma ação especial na companhia, resquício da época em que era estatal e dava poder de veto para decisões como venda.

Como resultado do acordo entre as companhias, está prevista uma joint venture para a comercialização do KC-390, avião militar de transporte desenvolvido pela Embraer. Nessa associação, a empresa brasileira terá o controle e 51% do capital.

O anúncio das negociações entre as duas gigantes da aviação comercial, há mais pouco mais de um ano, em dezembro de 2017, causou protestos e preocupação entre sindicatos de trabalhadores da Embraer e políticos de bandeira nacionalista, por causa do temor de que todas as instalações da empresa com sede em São José dos Campos fossem fechadas e transferidas para os Estados Unidos.

Juízes de primeira instância também tentaram barrar o negócio acertado entre duas companhias privadas, mas sem sucesso. No fim, as negociações avançaram e foi acertada a permanência no país das operações já existentes, tanto de pesquisa como de produção. O tema foi debatido também na campanha eleitoral. Depois de eleito, Bolsonaro deu declarações contraditórias, ora sinalizando que poderia pedir a revisão dos termos do acordo, ora dizendo que aprovaria sem restrições.

A Boeing é a líder no segmento de aeronaves de médio e grande portes e longo alcance, ou seja, a partir de 150 passageiros. Já a Em­braer domina o mercado de aviões comerciais de pequeno porte, com até 120 passageiros. Dessa complementaridade decorrem argumentos a favor da combinação: ambas terão maior poder de negociação para a venda de suas aeronaves para as companhias aéreas e para a compra de componentes de fornecedores globais. Haverá ainda sinergias na área de pesquisa.