Economia

Cade aprova compra de parte da SulAmérica pela Allianz

Cade aprova compra de parte da SulAmérica pela Allianz

A Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a operação de aquisição de controle entre as empresas de seguro Allianz e SulAmérica. O despacho pela aprovação da transação foi publicado na edição desta quinta-feira, 19, do Diário Oficial da União.

A aquisição foi anunciada no fim de agosto e envolve compra do setor de automóveis e ramos elementares (cobertura para roubos, imóveis, incêndio) da SulAmerica pela Allianz. Segundo a SulAmerica, o movimento é parte do posicionamento estratégico da empresa que visa concentrar esforços nos segmentos de saúde, odontologia, vida e previdência, que representaram 85% de seu faturamento no primeiro semestre de 2019. 

Segundo o parecer do Cade, a operação refere-se à “aquisição pela Allianz do Brasil e Allianz Seguros de 100% das ações da Sul América Participações e Investimentos S.A. (Sapi), que controlará e operará os negócios da Sul América Companhia Nacional de Seguros no Brasil (Salic), no Brasil, relativos a seguros de automóvel, patrimonial (que englobam os seguros residencial, condominial e empresarial) e habitacional (exceto no âmbito do Sistema Financeiro de Habitação); e 100% das ações da Sul América Serviços e Participações S.A (Sasp)”.

“A Operação proposta está em linha com o planejamento estratégico da Allianz de prosseguir com o desenvolvimento e crescimento de seus principais negócios de seguros no Brasil, ampliando a oferta de serviços para os consumidores. A Sul América, por outro lado, pretende focar seus negócios nos segmentos de saúde, odontológico, de vida, de previdência privada e de gestão patrimonial”, diz o parecer da autarquia.

Um dos compromissos assumidos no contrato de venda foi a criação de uma nova seguradora. A união desta nova companhia com a Allianz, atualmente a terceira maior seguradora do mundo, resultará na segunda maior seguradora de automóveis no Brasil. Segundo o presidente da SulAmérica, Gabriel Portela, que falou a VEJA em agosto, a nova seguradora funcionará como uma espécie de joint venture e deverá começar a operar em até 12 meses. Ela funcionará de forma independente enquanto as tratativas se concretizam e depois se juntará a Allianz.

Em ranking de 2018 do Sindicato dos Corretores de Seguro, divulgado anualmente, a SulAmérica aparece na segunda colocação, com 12,7% de participação do setor no país. A Allianz é a 10ª, com 2,35%.